“Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus”

Li há dias um artigo que dizia que as Bem-aventuranças têm uma “sequência” entre si, isto porque ninguém consegue ter um coração puro sem antes ser pobre de espírito, ser humilde, chorar, ter fome de justiça e ser misericordioso (as 5 primeiras bem-aventuranças).

Achei muito interessante verificar esta continuidade nas Bem-aventuranças, até como proposta de “caminhada” cristã e espiritual a que somos chamados a fazer nas nossas vidas. Só por isto percebemos que a noção de pureza implica um caminho, uma disponibilidade para querer ser puro. Mas o que significa ser puro de coração?

Na Bíblia a palavra “coração” designa o centro de toda a vida íntima do homem: pensamentos, memórias, sentimentos, e decisões. Podemos constatar isso em Provérbios 4, 23: “Vela com todo o cuidado sobre o teu coração, porque dele jorram as fontes da vida”.
Ao referir-se aos puros de coração, Jesus referia-se portanto a uma pureza interior, uma santidade íntima que só os pobres de espírito têm o privilégio de possuir, e distinta da pureza externa ou ritualista.
Não confundamos ou associemos “pureza” com perfeição, mas antes com um caminho de retidão pessoal, muito associada à simplicidade dos corações que se entregam a Deus. Sabemos que o Amor de Deus tudo pode, e só Ele, através do Espírito Santo, pode operar em nós purificando o nosso coração.

A ideia de amizade e sinceridade com Deus está também aqui implícita. Em Provérbios 22, 11 lemos que “aquele que ama a pureza de coração, pelo encanto das suas palavras se tornará amigo do rei”. Que bonito ligar a pureza à amizade e à sinceridade com Deus! De facto não é preciso muito para chegar a Deus... Basta amar de forma verdadeira!

Se os pobres de espírito entram no reino dos céus agora, os que choram são consolados agora, os humildes de coração recebem seu direito de possuir a terra agora, os que têm fome e sede da justiça são saciados agora, e os misericordiosos conseguem misericórdia agora, então também os de coração limpo têm o privilégio de ver a Deus agora, com os olhos da fé, e no futuro terão o privilégio de vê-lo face a face.

Imprimir Email